Desmistificando a menopausa

18/DEZ

A menopausa é um momento marcante na vida das mulheres, caracterizado pelo fim da ovulação e da menstruação, e por completar a transição do período reprodutivo para o não reprodutivo. Além da diminuição fisiológica da função ovariana, acontecem mudanças em todo o organismo, principalmente em função das alterações hormonais que ocorrem nesta fase.


Embora ocorra com todas as mulheres, principalmente a partir dos 50 anos, a menopausa é fonte de angústias e complicações. Este estágio é comumente associado à perda de libido, ao prejuízo da memória, à sensação de calor repentina, entre outros problemas. A reposição hormonal, por exemplo, é uma solução considerada por muitas pessoas como milagrosa para todas as mulheres. Mas o que é verdade e o que é crendice?


A professora Márcia Mendonça Carneiro, do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFMG, esclarece questões frequentemente associadas ao período da menopausa, e aponta quais afirmações são verdadeiras e quais não têm fundamento científico.


Na menopausa, a mulher sente calores.
Verdade. Os chamados “fogachos” são des­cri­tos como “ondas de calor” ou como uma “sen­sa­ção de calor” que duram de alguns segundos a poucos minutos. Os fogachos aparecem geral­men­te após a meno­pau­sa, agra­van­do-se com o declí­nio cres­cen­te da fun­ção ova­ria­na, mas podem apa­re­cer também na pré-meno­pau­sa. Têm iní­cio repen­ti­no, apa­re­cen­do na cabe­ça, pes­co­ço ou tórax. A dis­se­mi­na­ção sub­se­quen­te da sen­sa­ção de calor pode se dar em qual­quer dire­ção, sendo que algu­mas pacien­tes podem descrevê-la por todo o corpo. Ocorrem mais fre­quen­te­men­te à noite, poden­do des­per­tar a pacien­te e asso­ciar-se a qua­dros de insô­nia. Podem ser desen­ca­dea­dos por um aumen­to de tem­pe­ra­tu­ra ambien­te, pela inges­tão de comi­da ou bebi­da e por ansie­da­de ou estres­se. Ocorrem de 70% a 80% das pacien­tes cli­ma­té­ri­cãs.


Ocorre diminuição da libido.
Verdade. A redução dos hormônios que ocorre naturalmente após a menopausa interfere na libido, porém outros fatores também podem estar envolvidos, como depressão, redução da lubrificação e elasticidade vaginal, problemas no relacionamento e o próprio estresse do dia a dia. Dessa forma, é tão fundamental examinar os aspectos biológicos e hormonais femininos quanto os de sua relação familiar e conjugal.


A mulher consegue engravidar na menopausa.
Mito. A menopausa representa o evento final do ciclo reprodutivo, sinalizando a falência do funcionamento ovariano. Assim, não havendo óvulos, não é possível engravidar na pós-menopausa. No período de transição, entretanto, alguns ciclos podem ser ovulatórios e então há a chance da mulher engravidar inadvertidamente.


As terapias hormonais são indicadas para todas as mulheres.
Mito. Durante muitos anos acreditou-se que a utilização da terapia hormonal (TH) seria capaz de prevenir muitos sintomas da menopausa, incluindo a doença coronariana, fraturas osteoporóticas e o declínio observado na função cognitiva (memória) e sexual. Estudos randomizados e controlados recentes, contudo, demonstraram que o uso da TH combinada não está isento de riscos e que seus benefícios se restringem a algumas situações específicas. O uso do TH deverá ser restrito a menor duração consistente com os objetivos, benefícios e riscos envolvidos, considerando os sintomas e a interferência na qualidade de vida. Dessa forma, a avaliação deve ser individualizada.


A alteração hormonal favorece o processo de engordar.
Verdade. As necessidades calóricas diminuem com o envelhecimento assim como o gasto energético diário com atividade física. Sabe-se que as mulhe­res têm ten­dên­cia a aumen­tar de peso após os 50 anos. Isso pode acon­te­cer devi­do a um aumen­to de con­su­mo de calo­rias, a uma dimi­nui­ção da ati­vi­da­de físi­ca ou a uma redu­ção das neces­si­da­des ener­gé­ti­cas de cerca de 2% a cada déca­da, duran­te todo o resto da vida. Após a meno­pau­sa observa-se alterações relacionadas ao metabolismo energético, composição corporal e distribuição do tecido gorduroso que podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares e distúrbios metabólicos Dessa forma, há um balanço positivo a favor do ganho de peso neste período.


 


A memória é afetada.
Mito. Os estudos disponíveis até o momento não mostraram diferenças na prevalência de distúrbios da memória ou concentração em mulheres na pós-menopausa. Queixas de perda de memória devem ser devidamente avaliadas e não simplesmente atribuídas a redução dos níveis hormonais.


 


 


É possível retardar a menopausa.
Mito. O estoque de óvulos nos ovários é estabelecido durante a vida fetal. Uma vez que a mulher começou a menstruar, este estoque é consumido mensalmente até se esgotar por completo, não sendo possível a renovação.

Fonte: UFMG Medicina

Deixar comentário