Conheça os tipos de endometriose e saiba o que significam

11/SET

1 Algumas características fazem da endometriose uma doença bem peculiar. Entre os fatos que cercam essa enfermidade está a forma como são classificados os seus estágios. Diferentemente do que se pensa, dores mais acentuadas não necessariamente significam que o problema está em um nível avançado.


Há quatro graus diferentes para caracterizá-la: mínima (E-1), leve (E-2), moderada (E-3) e severa (E-4). “Essa classificação leva em consideração o local da implantação dos focos da endometriose, a extensão dos focos, o envolvimento ou não de ovários e trompas e o número de lesões”, explica o médico Dr. Rogério Dias, chefe do Setor de Endoscopia Ginecológica e Planejamento Familiar do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Botucatu, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp).


Assim, mulheres que apresentam endometriose mínima têm lesões superficiais de 1 cm a 3 cm, atingindo, eventualmente, um só ovário ou trompa. Nas apresentações leves da doença, a extensão fica entre 3 cm e 5 cm. Já o estágio moderado é marcado por múltiplos focos, que atingem tanto ovários quanto trompas. Nos casos severos, por sua vez, ocorrem lesões profundas, maiores que 5 cm, que podem alcançar até mesmo o intestino.


Embora a classificação se baseie nos danos causados aos órgãos, isso não necessariamente se reflete nos sintomas. Portanto, pode-se ter uma endometriose mínima com muitas dores e uma avançada quase sem sinais para a paciente. O mesmo acontece em relação à infertilidade: á casos de mulheres com nível mínimo e leve da doença que não têm sucesso nas tentativas de engravidar, enquanto algumas pacientes com endometriose moderada conseguem.


“Não é por acaso que ela é chamada de 'doença das múltiplas teorias'. São várias hipóteses, mas isoladamente nenhuma delas explica sua etiologia [causas da doença]. Tudo o que sabemos é que ela afeta as mulheres modernas, que optam por um menor número de filhos e ficam expostas a uma quantidade maior de ciclos menstruais”, comenta Dr. Dias.


“O tempo estimado de passagem de um estágio para outro é de três a cinco anos. Mesmo com essa lenta evolução, a dificuldade em identificar os sintomas atrapalha o diagnóstico, fazendo com que a doença muitas vezes venha à tona em níveis avançados”, acrescenta o especialista.


É importante saber o nível da enfermidade porque isso influencia no tratamento – embora outros fatores sejam considerados, como a idade da paciente, o desejo de engravidar e o nível de dor. Geralmente, nos casos mais avançados opta-se por cirurgia.


Diferentes formas


Além da classificação de acordo com os danos causados aos órgãos reprodutores, a endometriose também se divide em três formas, que levam em consideração os locais afetados. O tipo peritoneal ocorre quando as células problemáticas se instalam no peritônio (membrana que envolve órgãos na região abdominal) ou na parede pélvica, região abaixo do abdome. A ovariana atinge o ovário com cistos de sangue que têm cor achocolatada, enquanto a septo retovaginal [linkar para: ] traz sintomas bastante exacerbados e exige um tratamento complexo.


O diagnóstico tanto do estagio como do tipo só pode ser feito avaliandosintomas eexames e até resultado de cirurgia como um todo, assim só seu médico poderá fazer esse tipo de diagnóstico e escolher as melhores opções de tratamento.

Fonte: Gineco

Deixar comentário