Gravidez: consumo de álcool pode ser prejudicial já na concepção

05/JUL

Segundo pesquisadores australianos, mesmo antes de uma mulher descobrir que está grávida, o consumo de bebidas alcoólicas pode prejudicar o desenvolvimento da placenta


O consumo de álcool durante a gravidez tem sido associado a problemas como restrição do crescimento fetal e baixo peso ao nascer. Geralmente, a maioria das mulheres para de beber depois de saber que estão grávidas, mas será que o efeito do álcool pode ser prejudicial também durante os estágios iniciais da gravidez ou mesmo na concepção?


Focados em descobrir as respostas, pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, realizaram testes em laboratórios. "Queríamos saber se a exposição precoce ao álcool poderia afetar o desenvolvimento inicial do embrião e da placenta. Usando um modelo de rato, avaliamos a capacidade do embrião de implantar no útero e, mais tarde, quão bem vasos sangüíneos se formaram no útero", explicou uma das autoras do estudo, Jacinta Kalisch-Smith.


O grupo de cientistas estudou, então, as mudanças que ocorreram durante a gravidez do rato e descobriram que mesmo a exposição precoce ao álcool - entre 4 dias antes e 4 dias após a fertilização - foi prejudicial. "Descobrimos que a exposição precoce ao álcool reduziu a formação de vasos sangüíneos na placenta, e isso levou a menos nutrientes sendo entregues ao embrião", conta. Surpreendentemente, as placentas de embriões femininos foram particularmente suscetíveis, com uma redução de até 17% no tamanho e uma queda de 32% na formação de vasos sanguíneos.


"Isso tem implicações para a saúde humana, ajudando a explicar, em parte, porque os bebês expostos ao álcool no útero muitas vezes nascem pequenos. É importante entender as causas do baixo peso ao nascer, porque ele mostrou ser um fator de risco independente para doenças mais tardias na idade adulta, como diabetes tipo 2, hipertensão e obesidade", completa.


Segundo a especialista, essas observações fornecem uma base importante para pesquisas futuras sobre condições associadas à gravidez, como a restrição do crescimento fetal. "A próxima parte deste projeto é ver se a suplementação de nutrientes pode reduzir ou mesmo prevenir os efeitos adversos da exposição ao álcool", finalizou.

Fonte: https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/noticia/2019/06/gravidez-consumo-de-alcool-pode-ser-prejudicial-ja-na-concepcao.html

Deixar comentário