Menopausa: Por que tratar?

10/MAR

No início da menopausa, a mulher poderá sentir sintomas muito fortes, o que interfere na sua maneira de viver e em sua qualidade de vida. Considerando a idade média da instalação da menopausa, por volta dos 45 anos, veremos que as mulheres passarão um terço de suas vidas sem hormônios. A falta de estrogênio na menopausa é o principal responsável pelas alterações do organismo feminino.


É a ausência dele que causa as ondas de calor ou fogachos, de forma variável, em aproximadamente 75% a 80% das mulheres. O estrogênio também é responsável pela textura da pele feminina e pela distribuição de gordura. Sua falta causará a diminuição do brilho da pele e uma distribuição de gordura mais masculina, ou seja, na barriga.


É a falta de estrogênio que causa a secura vaginal, que acaba por afetar o desejo sexual, pois transforma as relações em algo desagradável e doloroso. O estrogênio também é relacionado ao equilíbrio entre as gorduras no sangue, colesterol bom (HDL) e colesterol ruim (LDL). Estudos mostram que as mulheres na menopausa têm uma chance muito maior de sofrerem ataques cardíacos ou doenças cardiovasculares.


Outra alteração importante na saúde da mulher pela falta de estrogênio é a irritabilidade e a depressão. O estrogênio está associado a sentimentos de bem-estar e elevada autoestima, e a falta dele pode causar depressão em graus variados.


Por último, o estrogênio é responsável pela fixação do cálcio nos ossos. Após a menopausa, grande parte das mulheres passará a perder o cálcio dos ossos, doença chamada osteoporose, responsável por fraturas e por grande perda na qualidade de vida da mulher. Estudos recentes têm associado a falta de estrogênio ao Mal de Alzheimer, perda progressiva e total da memória.


A terapia de reposição hormonal é realizada para amenizar esses sintomas a fim de evitar que doenças mais sérias se desenvolvam. Para mulheres que podem usar os estrogênios, existem alternativas com medicamentos que também diminuem os efeitos da menopausa.


O intuito do tratamento é melhorar a qualidade de vida da mulher nessa nova fase.

Fonte: www.gineco.com.br

Deixar comentário