Mioma: atinge 50% das mulheres e merece atenção

28/OUT

Praticamente todas as pessoas já ouviram falar sobre miomas, mas nem todo mundo sabe ao certo o que são, quais são as causas e sintomas que eles podem causar, e nem como devem ser tratados.


Os sintomas mais comuns destes nódulos são sangramento uterino anormal, dor, infertilidade, abortamento, entre outros. Mas vale destacar que em muitas mulheres eles são assintomáticos.


Lilian Freitas de Oliveira Carneiro, médica oncologista da Oncomed BH, destaca que a miomatose uterina é uma doença de incidência alta. “Atinge cerca de 50% das mulheres em idade entre 30 e 50 anos”, diz.


“Ocorre de três a nove vezes mais em mulheres da raça negra. Elas têm miomas em idades mais jovens e são mais propensas a terem mais ou maiores miomas”, acrescenta Lilian.


Outros fatores de risco para miomas uterinos, de acordo com a oncologista, são:


- Hereditariedade: historia da doença na família (mãe ou irmã).


- Obesidade – ganho de peso: sobrepeso pode levar à disfunção hormonal devido ao maior número de células de gordura.


O que são miomas uterinos?


Miomas são tumores benignos que se desenvolvem no útero e que, muitas vezes, aparecem durante a idade fértil. “A designação científica é leiomioma uterino (leio=liso; mio=músculo; oma =tumor benigno). O mioma se desenvolve a partir do tecido muscular liso do útero (miométrio) que cresce para dentro ou fora do útero. Uma célula se divide repetidamente e desenfreadamente até formar uma massa diferente dos tecidos próximos. O mioma pode alterar o formato do órgão à medida que se desenvolve”, explica Lilian.


Fabiane Sabbag, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, destaca que a origem dos miomas é desconhecida. “Mas sabe-se que o crescimento dele ocorre por indução hormonal, principalmente pelo estrógeno”, diz.


Sintomas


Lilian explica que, apesar de ser um problema muito prevalente, muitas mulheres com miomas uterinos são assintomáticas. Isto é, a doença muitas vezes não provoca sintomas. Mas, os principais e mais comuns sintomas produzidos pelo mioma, de acordo com a médica, são:


- Sangramento menstrual excessivo;


- Menstruação irregular forte e períodos menstruais prolongados – sete dias ou mais de sangramento menstrual – o que pode levar à anemia;


- Sangramentos mensais atípicos (entre uma menstruação e outra), às vezes com coágulos;


- Sensação de pressão ou dor pélvica – cólica;


- Dor abdominal;


- Incontinência urinaria / micção frequente;


- Dificuldade de esvaziar a bexiga;


- Funcionamento irregular do intestino – “prisão de ventre”;


- Dor durante as relações sexuais.


Fabiane destaca que cada caso é um caso, e tudo depende especialmente da localização do mioma. “Se é interno, pode causar sangramento irregular, às vezes, muito intenso; cólica… Se for por fora, e se crescer demais, pode causar dor, comprimir órgãos. Mas em muitos casos o mioma é assintomático”, lembra.


“Às vezes o mioma é pequeno e nem atrapalha a mulher. O importante é que ela não se desespere… Mas, sim, procure seu médico, que analisará: onde está o mioma? Quantos são? Qual é o tamanho? E, assim, indicará a melhor forma de tratar o problema”,comenta a ginecologista.


Diagnóstico


Lilian explica que o diagnóstico geralmente é feito em consulta ginecológica, levando em conta as queixas apresentadas pela paciente e também através do exame físico local. “Exame de toque ginecológico revela a alteração, aumento do útero ou alteração do seu relevo. A ultrassonografia transvaginal é o exame indicado para a confirmação do diagnóstico. Ele revela a quantidade de miomas, a localização e o tamanho de cada um”, diz.


Fabiane destaca que o tratamento da paciente dependerá da localização, do tamanho e da quantidade de miomas. “Poderá ser clínico ou cirúrgico”, conclui.

Fonte: Dicas de Mulher

Deixar comentário